A surpresa no Vale del Colca

O relógio já marcava pouco mais de oito horas na pequena pousada do Vale del Colca quando me arrumei para ir à simples recepção onde serviam o jantar. Coloquei a calça jeans (foi um grande erro ter levado só ela), a manga comprida e o meu inseparável casaco corta-vento azul. Tirei o celular do carregador e chequei se tudo estava certo no quarto. Peguei o cachecol, a luva e o gorro. Apaguei as luzes e coloquei a mão na maçaneta. Abri a porta. Sai do chalé e senti aquele gelado vento cortante que bateu em mim. Fiquei parada em frente à porta do quarto, que dava para um espaço circular rodeado por mais portinhas de chalés, pois alguma coisa por lá chamou a minha atenção. Algo naquela noite estava diferente das demais que já havia vivido. O ar cheirava a algo novo e nunca experimentado antes. Então, por algum motivo, entenda, eu realmente não sei o porquê, resolvi olhar para cima. Quando levantei a cabeça, me assustei. Eu nunca tinha visto um céu como aquele.  Pude colocar meus olhos naquele fundo extremamente preto, todo respingado de pontinhos brancos e brilhantes, não esquecendo a Lua, claro. Foi pavoroso! Continuar lendo